Política de cookies Lusíadas Saúde
Usamos cookies em todos os nosso sites para melhorar o desempenho e a sua experiência como utilizador. Ao prosseguir, está a declarar aceitar todos os cookies dos sites do grupo Lusíadas Saúde.

Política de cookies
Lusíadas Cascais
Contacto Geral 24h

O que é a escarlatina?

​​​O que é a escarlatina?

É uma doença infeciosa e contagiosa caracterizada por amigdalite, febre e manchas vermelhas no corpo. As toxinas produzidas pela bactéria Streptococcus pyogenes desencadeiam uma resposta inflamatória que provoca dilatação dos vasos sanguíneos da pele, que adquire a cor vermelha característica da escarlatina.

A escarlatina é mais comum em crianças até aos 10 anos mas também pode atingir adolescentes e adultos, sendo rara em crianças com menos de 1 ano.

A maioria das crianças desenvolve anticorpos protetores contra a toxina, que previnem a recorrência da doença.

 

Sintomas da escarlatina

Habitualmente têm início súbito, com febre, dor de garganta, gânglios aumentados no pescoço, dor de cabeça, náuseas, dores no corpo e mal-estar geral. As crianças mais pequenas poderão também ter vómitos e dor de barriga. As manchas na pele aparecem 12 a 48 horas após o início da febre, inicialmente no pescoço e posteriormente com extensão para o tronco e membros, poupando as palmas das mãos e plantas dos pés. Muitas vezes coexiste palidez à volta da boca e língua muito vermelha, como um morango. Numa fase mais tardia poderá ocorrer descamação da pele.

 

Grupos de risco

As crianças em idade escolar, nomeadamente entre os 5 e 15 anos de idade, têm mais probabilidade de desenvolver a escarlatina. A sua incidência é maior durante os meses de inverno e primavera e em grandes aglomerados populacionais.

 

Como se dá o contágio e como evitá-lo

A bactéria transmite-se de pessoa para pessoa através do contacto com secreções das vias respiratórias. A tosse ou o espirro são formas de transmissão da escarlatina, pois a bactéria existe nestas secreções respiratórias. Do mesmo modo, deve evitar-se beijar a pessoa doente, assim como beber do mesmo copo ou usar os seus talheres. Outra medida essencial é a lavagem frequente das mãos com água e sabão.

Por forma a minimizar o contágio, as crianças com escarlatina não devem regressar à escola até completarem 24 horas de tratamento.

 

Diagnóstico

Na maioria dos casos é feito pelo médico através da observação da criança. Existem também testes de diagnóstico, que podem ser realizados nos casos em que persistam dúvidas após a observação.

 

Tratamento

É feito com antibióticos, sendo a penicilina ou amoxicilina os antibióticos de primeira linha. Os objetivos do tratamento são reduzir a duração e gravidade da doença, assim como prevenir a sua transmissão.

Simultaneamente devem ser incentivadas medidas gerais para alívio dos sintomas da escarlatina, tais como dieta com alimentos moles e ingestão de líquidos.

 

Colaboração:
Joana F. Oliveira, pediatra do Hospital de Cascais

 

Especialidades em foco neste artigo:

Pediatria