​Notícia publicada no WEBsite Insights HiMSS EUROPE (veja aqui a notícia original)

O Hospital de Cascais Dr. José Almeida foi certificado no nível 7 do EMRAM (Eletronic Medical Record Adoption Model) pela HIMSS Analytics (Healthcare Information and Management Systems Society).

LISBOA, PORTUGAL — (HealthTech Wire / Notícias) — Ao demonstrar a conformidade com os requisitos, o Hospital de Cascais reafirmou o empenho na utilização de tecnologia capaz de elevar a segurança dos doentes e a qualidade global dos cuidados clínicos.

O sucesso deste projeto adveio do empenho partilhado entre o Hospital de Cascais e os seus fornecedores de tecnologia de informação, nomeadamente GLINTT e BIQ Health Solutions, que têm vindo a colaborar sinergicamente com o hospital ao longo dos últimos anos.

Rita Kadic, líder deste projeto e Diretora de Eficiência e Melhoria Contínua afirmou: "Liderar este projeto e estar em conformidade com os requisitos do nível 7 foi uma experiência extraordinária que nos fez crescer como profissionais e como equipa. Foi, provavelmente, o desafio mais abrangente que tivemos até ao momento; um desafio que nos colocou num nível muito alto de excelência na prestação de cuidados de saúde. Acredito que se trata de um ponto sem retorno, o que significa que continuaremos a evoluir com o desígnio de obter os melhores resultados em saúde."

"Aprendemos que a implementação de tecnologia, só por si, não é suficiente. O mais importante são as pessoas, os processos e a forma como implementamos a mudança! Acreditamos, por isso, que um dos fatores-chave para o sucesso deste projeto foi a gestão pró-ativa da mudança, que foi adotada por toda a equipa, de forma a assegurar o perfeito alinhamento com os processos de segurança e qualidade. Para mim, o caminho para o nível 7 é, na verdade, parte do caminho para a excelência! Não vamos ficar por aqui!"

O primeiro a atingir o nível 7 em Portugal

O Hospital de Cascais foi a primeira organização em Portugal a ser reconhecida no nível 6 do EMRAM e é a primeira organização do país a conseguir superar o processo de validação do nível 7.

A Dr.ª Ana Rafaela Alves, Responsável Médica pela Informatização Clínica, afirmou: "Atingir a certificação de nível 7 é uma grande honra e o resultado do trabalho de uma equipa coesa numa trajetória que partiu de uma base sólida e que nos levou a um nível de verdadeira excelência em matéria de segurança, qualidade e desempenho, tendo a tecnologia trabalhado para os clínicos e não apenas com eles. É indubitável que cimentou a cultura que leva a que nos questionemos constantemente, de resolução de problemas e de melhoria contínua que caracteriza uma organização de elevada fiabilidade (HRO – High Reliability Organization) como a que procuramos ser e que nos aproximou enquanto comunidade hospitalar que trabalha com um único objetivo comum: a melhoria dos cuidados prestados aos doentes."

"O facto de termos sido capazes de utilizar a tecnologia seguindo as diretrizes EMRAM/HIMSS, e de termos adaptado a essas diretrizes a nossa própria filosofia e as nossas crenças para irmos em busca do que é correto e seguro foi uma das experiências de aprendizagem mais importantes na nossa instituição."

A procura da excelência em resultados de saúde

Dulce Gonçalves, Responsável de Enfermagem pela Informatização Clínica, disse: "A atribuição do nível 7 é o reconhecimento do nosso trabalho enquanto equipa na prestação aos nossos doentes daquilo a que chamamos cuidados de excelência. O nosso lema "High Care" implica a maximização do uso da tecnologia (High Tech), para podermos apresentar um nível de cuidados mais humanizados (High Touch). A nossa estratégia consistiu, desde o início, em introduzir sistemas de tecnologia e informação que ajudassem os profissionais de enfermagem a prestar melhores cuidados (parte do "Triple Aim" na saúde – melhorar a experiência dos cuidados; melhorar a saúde da população e reduzir os custos com saúde). Conseguimos otimizar o nosso sistema de informação de forma a permitir a total implementação e evolução do nosso processo de enfermagem."

John Rayner, Diretor Regional, e responsável pela certificação do hospital, afirmou: "trata-se de um hospital impressionante e bem gerido, no qual tanto os clínicos como os gestores colaboraram de forma consistente para se tornarem uma organização com um elevado desempenho, que passou do nível 6 para o nível 7 em muito pouco tempo. Pressinto que vamos continuar a ouvir falar do sucesso deste hospital nos próximos meses e anos."

O Presidente do Conselho de Administração, Vasco Antunes Pereira referiu: "Se houve um projeto que teve impacto global na nossa organização, esse projeto foi o da adoção do EMRAM como guia estratégico a adotar! A atribuição do nível 7 é o reconhecimento do nosso compromisso de longa data com a melhoria contínua dos resultados para o sistema de saúde através do uso das tecnologias de informação. Além disso, é o reconhecimento da qualidade global dos nossos investimentos e do empenho dos nossos clínicos na maximização do uso da tecnologia e da análise de dados para melhorar o desempenho do hospital e assegurar a satisfação dos doentes."

"A nossa trajetória até à verdadeira maturidade neste processo foi, em alguns momentos, árdua e exigente, mas acredito que, no final (que nunca é um final — e esta é uma lição que também aprendemos), podemos dizer que nos tornámos muito mais fortes e estamos preparados para assumir os novos desafios que surgirão no futuro. Resta dizer que foi um verdadeiro prazer e uma verdadeira experiência de aprendizagem conhecer a "família" HIMSS do mundo inteiro e termos podido trocar experiências e soluções de uma forma tão generosa e útil."

Distinção vai ser atribuída na HIMSS Europe 18 em Sitges, Espanha

O Hospital de Cascais receberá esta distinção no HIMSS Europe 18, que terá lugar em Sitges, Espanha, de 27 a 29 de maio de 2018. O evento é organizado pela HIMSS Europe e conta com o apoio de muitas organizações parceiras. São esperados mais de 2000 líderes de saúde e de tecnologias de informação.

modelo de adoção de EMRAM é um modelo que avalia a maturidade digital nos hospitais. Atingir o nível máximo reflete o desejo do Hospital de Cascais em eliminar o uso de papel e passar a usar as tecnologias de informação por forma a garantir benefícios para os doentes e para os clínicos.