​​​​​​​​​O Hospital de Cascais realizou, na quinta-feira dia 28 de fevereiro, um simulacro de uma situação de emergência causada por uma catástrofe externa com origem em condições climatéricas extremas.

Inserido na 8.ª Edição da Semana da Proteção Civil da Câmara Municipal de Cascais, este exercício conjunto contou com a magnífica colaboração da Escola Profissional de Teatro de Cascais, cujos alunos figuraram no grupo de 25 vítimas, incluindo duas crianças e duas grávidas, transportadas para o Hospital de Cascais após queda de estruturas e incêndio no CascaiShopping.

O grupo chegou às Urgências do Hospital de Cascais com 5 pessoas em estado crítico, 5 em estado grave mas não crítico, 11 feridos ligeiros, duas vítimas mortais e duas que obtiveram alta logo após a entrada na Unidade.

O simulacro permitiu demonstrar uma excelente articulação e profissionalismo das equipas internas do Hospital que, em coordenação com as entidades externas envolvidas, levaram a que não só fosse cumprido o plano de emergência delineado como mostrou um espírito de solidariedade entre profissionais de todas as áreas do Hospital. Permite, ainda, identificar todas as situações em que é possível alterar procedimentos para os adequar ainda mais num processo de melhoria continua.

Desde os cuidados clínicos prestados às vítimas, ao acompanhamento de familiares e profissionais da comunicação social, diversas áreas do Hospital contribuíram para a realização do exercício, sem que tal tenha afetado o normal funcionamento dos serviços. "Consideramos de primordial importância testar os nossos procedimentos e meios envolvidos neste tipo de situações e avaliar o desempenho, para que possamos estar todos mais preparados, com planos de ação delineados e otimizados", frisou Maria Amélia Ferro Jorge, Presidente da Comissão Executiva do Hospital de Cascais.